SUPLEMENTAÇÃO NA PRÉ-CONCEPÇÃO

NÃO É SÓ O ÁCIDO FÓLICO (METILFOLATO) QUE IMPORTA

Hoje a medicina e diversos estudos têm revelado a importância do estado nutricional da mulher não somente durante a gestação, mas também no período da pré-concepção.

As necessidades nutricionais de uma mulher que engravida mudam de forma importante da pré-concepção à gravidez, e a sua saúde precisa estar bem preparada para isso. Portanto é fundamental avaliar o estado nutricional da mulher que está planejando engravidar para que todas as carências sejam supridas e o feto se desenvolva nas condições mais favoráveis possíveis.

Preparar a saúde e o corpo para o momento da concepção é muito importante!

A disponibilidade de micronutrientes no ambiente ovariano e sua influência no desenvolvimento, viabilidade e qualidade dos óvulos é o foco de uma crescente área de pesquisa.

Sabe-se que a suplementação de Metilfolato (ácido fólico) por exemplo, é uma das mais importantes para a pré-concepção e gestação, pois os níveis adequados de folato são fundamentais na gestação para suportar o rápido crescimento, replicação e divisão celular.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde do Brasil recomendam a dose de 400μg (0,4mg), diariamente, por pelo menos 30 dias antes da concepção até o primeiro trimestre de gestação para prevenir os defeitos do tubo neural.

A carência desse nutriente é bem importante na pré-concepção e por isso a orientação para a suplementação do Ácido fólico (Metilfolato) já está bastante consolidada entre as mulheres que desejam engravidar. O fato é que não é só este nutriente que importa para engravidar com saúde.

Mas quais outros nutrientes são importantes para suplementar antes de engravidar?

O corpo das mulheres aumenta substancialmente a demanda por vitamina B12, Vitamina D, Zinco e antioxidantes durante a gravidez.

  • A vitamina B12: A B12 ou cobalamina, é um dos substratos necessários para a produção eficaz de células vermelhas do sangue. A deficiência de Vitamina B12 associa-se à anemia megaloblástica que pode estar relacionada com diminuição da resposta imunitária e neuropatia fetal. Hoje, 29,0% das mulheres em idade reprodutiva e 38,2% das mulheres grávidas sofrem de anemia.
  • A vitamina D: Estima-se que a insuficiência/deficiência de vitamina D afete um bilhão de pessoas ao redor do mundo, independente da faixa etária ou estado de saúde. A deficiência dessa vitamina não é incomum nas gestantes e a insuficiência desse nutriente durante a gestação pode desenvolver complicações materno-fetais e infantis como por exemplo um maior risco de pré‐eclâmpsia, resistência insulínica, diabetes gestacional e até aumento da possibilidade de parto cesáreo pode ser identificado em gestantes com essa deficiência.
  • Zinco: A Organização Mundial da Saúde estima que 17% da população global é vulnerável à deficiência de zinco em sua dieta. No caso das mulheres que desejam engravidar o cuidado com a ingestão adequada desse nutriente é fundamental, pois a deficiência de zinco pode afetar negativamente os estágios iniciais do desenvolvimento dos óvulos, reduzindo a capacidade dos óvulos de se dividirem e serem fertilizados.

A realidade é que nem todas as mulheres têm acesso financeiro ou logístico a uma dieta de alta qualidade que garante todo aporte de nutrientes que elas precisam. Além disso, vários estudos mostram que a maioria das mulheres em idade reprodutiva não está recebendo quantidade suficiente de vitaminas A, C, B6 e E, ácido fólico, cálcio, ferro, zinco e magnésio em sua dieta. De acordo com este cenário, os suplementos se tornam essenciais, pois muitas vezes até a melhor dieta do mundo pode não conter todos os nutrientes necessários para proporcionar a melhor chance de conceber.

A utilização de suplementos multivitamínicos, que não possuem apenas o Ácido fólico (Metilfolato) têm-se tornado uma opção atrativa para melhorar o estado nutricional das mulheres que desejam engravidar. Os multivitamínicos para o período da pré gestação, são uma opção prática, segura e eficiente quando adaptados às necessidades individuais de cada futura gestante.

 

Referências:
http://www.fspog.com/fotos/editor2/09-aogp-d-14-00019.pdf
https://www.ajog.org/article/S0002-9378(08)02076-0/fulltext
http://ecos-redenutri.bvs.br/tiki-index.php?page=micronutrientes
https://www.scielosp.org/pdf/csc/v22n2/1413-8123-csc-22-02-0535.pdf
https://www.unip.br/presencial/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2017/04_out-dez/V35_n4_2017_p257a260.pdf
http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/download/262/149
https://www.sciencedaily.com/releases/2018/04/180424133639.htm